Segunda-Feira, dia 03 de Agosto de 2020
Director - Pe. F. Caetano Tomás
Links Eventos AFAUCSSR Assinar Edições
ENTREVISTA JOÃO COELHO LOPES CABRAL

Agosto de 2020

ENTREVISTA JOÃO COELHO LOPES CABRAL

JOÃO COELHO LOPES CABRAL
58 anos
Como era a sua vida antes da vinda para a CSSR?
No passado trabalhei no Jornal “A União “ durante 20 anos.
Quais eram as suas funções na “A União”?
Era ajudante de escritório, e distribuidor. Passava a manhã a passar faturas e recibos, e à tarde distribuía jornais. Andava 10 km todos os dias, percorria a rua da Sé, a Rua da Esperança, toda a Zona Central de Angra, Memória, Conceição e São Bento.
Gostava muito do que fazia, mas depois fiquei doente, tinha mais ou menos 19/20 anos. Preocupava-me muito com o serviço. Ainda trabalhei uns tempos, depois estive de baixa 3 anos, voltei a trabalhar, e depois ao fim de uns tempos, fui definitivamente para a Invalidez. Foi o único que trabalho que tive.
No entretanto, fiz a tropa, estive 18 meses na tropa entre São Miguel e Portalegre, na Polícia do Exército.
Como considerou essa experiência da tropa?
A tropa era muito dura, todos os dias corríamos até à fronteira de Espanha logo pela manhã. Este exercício fazia-me bem à saúde. Durante esse período nunca precisei de tomar um comprimido!
O que fazia para se ocupar?
Lia livros sobre a vida de Santos ligados à Religião Católica, o missal e os livros dos salmos, principalmente do Novo Testamento. Dava muitos passeios a pé no Jardim Público e no Monte Brasil.
Em relação aos Santos…tem algum que distinga especialmente?
Sim. São João Batista. A sua história diz-me muito, porque foi ele que veio anunciar a vida de Cristo. Foi um santo muito importante para os católicos.
Qual a sua formação académica?
Tenho o 7º ano de escolaridade, mas tenho dois diplomas de cursos bíblicos feitos por correspondência. Tenho pena de não ter os meus diplomas… Com o passar dos anos, e com as mudanças de casa da minha mãe, os diplomas foram encaixotados e não é fácil encontrá-los.

A sua família…conte-nos um pouco mais ...
Nunca vivi sozinho. Durante a minha juventude tive algumas namoradas, era bastante namoradeiro, gostava de lançar uns piropos. Nunca calhou “ficar para casar”…
Sempre vivi com a minha mãe. Recebemos hóspedes durante alguns anos para ajudar nas despesas. Eu ajudava na cozinha, para libertar a minha mãe para as tarefas com a hospedaria.
Também lá vivia a minha avó e o irmão. Quando o meu irmão foi estudar para a Universidade, eu fiquei “o menino da casa”.
Tenho uma forte relação com a minha família, com o meu irmão, cunhada. Tenho um carinho especial pelos meus sobrinhos porque acompanhei o seu crescimento. O meu irmão foi professor, é político, e tem muitas outras funções públicas.
O meu afilhado que vive cá, às vezes vem buscar-me. Também o meu irmão me convida para ir almoçar com eles e a minha cunhada (que é enfermeira especializada), aparece muito aqui na Casa para saber como eu estou…
Qual o contexto da sua vinda para a Casa de Saúde?
A primeira vez que fui internado foi nos anos 90. Tive vários episódios de internamento e o último foi em 2018. Vim com um grande depressão, entrei para a Unidade São João Deus e depois vim transferido para a Unidade Irmão Sinforiano.
No início da minha doença, fui tratado pelo Dr. Hélio Flores Brasil que me fez muito bem, era um pai para os doentes, e tinha uma forma muito particular de ser espiritual. Atendia-me em consulta e dizia que, durante a minha baixa, eu devera ir diariamente à União, para contatar com o meu trabalho.
Gosta de cá estar?
Sim, gosto.
Como se ocupa aqui na Casa?
Vejo, na televisão, as notícias e o futebol. Eu sou muito pacífico nesta Casa, deixo passar tudo. Não tenho ofensas de ninguém. Sou bastante brincalhão, e gosto muito de contar anedotas e lançar graças aos colaboradores.
E dou passeios no jardim que tem umas rampas para descer, assim faço exercício. Quando me apetece, converso com alguns utentes sobre diversos assuntos de Cultura Geral. Atualmente estou a ler as Sagradas Escrituras que, para mim, são “um alimento espiritual”.
Há alguma passagem deste livro que o tenha marcado?
Gosto especialmente do salmo 51 que devemos usar quando pecamos, pois faz referência à importância do perdão dos pecados uns os outros. Deus também nos perdoa quando vamos ao seu encontro!
Falou de futebol. Qual o seu Clube?
Sou do Benfica. Aqui quase todos os utentes são adeptos do Benfica. E o Dr. Freitas também!
Conhece o Jornal “O Irresponsável”?
Sim, sou assinante mais ou menos desde 1970
Que mensagem gostaria de deixar aos leitores deste Jornal?
Aconselho a leitura da Bíblia, sobretudo o Novo Testamento. Deve ler-se todos os dias um bocadinho, pois alimenta o espírito e alma.
ENTREVISTA JOÃO COELHO LOPES CABRAL ENTREVISTA JOÃO COELHO LOPES CABRAL

Retroceder

1

Temas da última edição

O irresponsável

Redacção e Administração:
CASA DE SAÚDE S. RAFAEL
Caixa Postal: 9701-902 Angra do Heroísmo
Telefone: 295204330
Propriedade:
Província Portuguesa da Ordem Hospitaleira de S. João de Deus - Casa de Saúde S. Rafael
Contribuinte N.º: 500927731
N.º Registo do título: 100460
Director:
Redactores:
Marco Pavão, Mónica Morais e Leonor Brás
Tiragem Bimensal:
1000 exemplares Impresso na Tipografia Moderna - Jaime Cruz - Artes Gráficas, Lda. Angra do Heroísmo


Contador grátis Web Development - Via Oceânica 2009 - Todos os Direitos Reservados Email - cssr.angra@isjd.pt